Jefferson Oliveira

Jefferson Domingues de Oliveira, 27 anos, Graduado em Psicologia. Experiência profissional. Atendimento clínico em Clinica de Reabilitação para Dependentes Químicos e Orientação Vocacional e Profissional. A pretensão é apresentar a Psicologia, sendo esta uma profissão que auxilia o homem e apresentar e discutir temas como ansiedade, depressão, escolha profissional, amor, enfim as questões humanas que muitas vezes esbarram o ser humano.



Tamanho da letra


Falando sobre adolescência

A adolescência parece ainda ser um caixinha de surpresa, deixando muitos pais de "cabelo em pé", pelos diversos comportamentos que muitas vezes aparentam ser sem causa e motivo. São diversas as críticas sobre esta fase.


Embora ao que muitos pensam ser adolescente não é fácil, não são donos da verdade. É um momento de transição, mudanças no corpo e nova percepção de mundo, em que estão descobrindo o mundo, percebendo pelos seus próprios olhos.


Os adolescentes buscam uma identidade, a sua própria nas músicas, grupos, as famosas "tribos", o jeito de vestir, falar e comportar. Ora estava vendo o mundo pelos olhos da família agora é descobrir, qual é o lugar. Os conflitos surgem neste momento, às verdades aprendidas pelos pais parecem já não fazer sentido e surgem as grandes crises adolescentes.


O que fazer? Qual o melhor caminho? Existe um caminho? Qual o meu lugar? Posso? Devo? Quero? O que está acontecendo com meu corpo? Beijo? Sexo? Parecem perguntas fáceis de respostas prontas e obvias?! Não é nada tão claro e pronto.


Pais se o momento parece nebuloso para vocês ainda mais para seus filhos. Tentar impor pode não ser o melhor caminho. Aos adolescentes fique claro que é uma fase, à medida que irá amadurecendo ficará mais claro as próprias questões. A melhor saída sempre será o dialogo para você pai e a você que é filho.

 

Descubram o modo mais saudável de estabelecer uma comunicação e se perceberem que não conseguem estabelecer comunicação melhor caminho é buscar a ajuda de um profissional de sua confiança.

 

Jefferson Oliveira - CRP: 04/43954

 

Psicólogo

 

 





Amar e relacionar esta valendo a pena?

O amor constitui uma oportunidade sublime para o indivíduo amadurecer, tornar-se algo, tornar-se um mundo, tornar-se um mundo para si mesmo por causa de outra pessoa; é uma grande exigência para o indivíduo, uma exigência irrestrita, algo que o destaca e o convoca para longe. (Cartas a um jovem poeta- Rainer Maria Rilke)

Sabemos que o amor relação seja ele casal ou não envolve estar junto, dividir e compartilhar. E quando os encantos se tornam desencantos. São muitas vezes assim que as relações amorosas terminam do desencanto por não corresponder com o sonhado e idealizado. As relações rompem com uma queixa daquele ou aquela que não correspondem ao sentimento. A partir deste ponto pergunta-se como anda o amor?

 


Dizem que está geração pós-moderna não sabe amar, tampouco sabe dizer o significado singular do amor. Pode-se dizer que esta geração não fracassou com o sentimento, descobriu o seu jeito de vivenciar as suas relações. Que não existe uma única forma, regra ou enquadre para que as relações deem certo. Se, portanto antes as relações elas precisavam de uma justificativa para dizer o motivo de estarem juntos, hoje pelo contrário os afetos estão horizontais, ou seja, não existe uma causa ou motivo para estar junto, se não pelo próprio desejo de construir uma relação.

 


O amor assumiu diante da sociedade uma multiplicidade de romances, isso não implica dizer do descompromisso ou compromisso. A questão do amor ainda é um conflito de gerações que entre uma regra trazida dos pais, avós com esta geração que conquistou esta multiplicidade. Entretanto não sabe o que fazer diante de tal vivência. Existem afirmações que o romantismo foi desvalorizado, entretanto é um equivoco, pois as relações estão sendo encaradas pelo interesse de estar com o outro sem um terceiro para fazer intermediações.

 


Não há uma regra para estar com o outro, as relações irão se estabelecendo a partir do momento que o casal permite se construir, não somente pelo lado positivo, mas pelos avessos e contrários. Comparar relações, tentar encontrar causas ou respostas, para estar junto, pode não ser o melhor caminho, pois cada relação irá existir em sua forma singular, ou seja, a relação de um casal que funciona pode não funcionar para outro casal, é reinventar e descobrir-se. Retomo com as palavras de Rilke “[...] é uma grande exigência para o indivíduo, uma exigência irrestrita, algo que o destaca e o convoca para longe.”.

 

Jefferson Oliveira - CRP: 04/43954

Psicólogo

 

 







 


Publicidade


 


 



 



 

 





 

 




 










2011 cponline.com.br Todos os direitos reservados.